CORREÇÃO DE COR: dicas com nosso Embaixador na revista HM

Nosso embaixador Thiago Martins dá dicas na revista HM deste mês (Hair #27) sobre correção de cor, um dos principais pedidos dos clientes neste momento de retomada dos salões de beleza. Saiba mais.

Com o retorno de grande parte dos salões de beleza, entre os serviços mais prestados está a correção de cor. Isso porque durante a quarentena muitas mulheres tentaram colorir os fios sozinhas, mas nem sempre conseguiram chegar na cor desejada. 

Por isso a revista HM preparou um dossiê com 10 passos sobre assunto e convidou alguns profissionais renomados para dar dicas, entre eles o nosso Embaixador e Hair Stylist Thiago Martins. 

HM em Revista | Edição #27

Na matéria, nosso embaixador explica que dependendo das condições e do tom dos fios a correção de cor pode levar algumas etapas, ou seja, mais de uma visita ao salão: 

Eu considero que é muito importante manter a sinceridade com a cliente, muitas vezes é impossível realizar a correção de cor em apenas uma etapa e, por isso, o procedimento pode exigir algumas visitas ao salão, dependendo do estado que se encontra a fibra capilar ou mesmo da tonalidade que se deseja alcançar.”

Ele também destaca a importância dos cuidados na manutenção em casa, e alerta que devemos ter a mesma atenção que temos com a nossa pele também com os nossos fios:

“Eu sempre digo para minhas clientes que o cabelo é igual a nossa pele, nós passamos cremes no rosto e no corpo diariamente e a mesma coisa deve acontecer com os cabelos, não apenas uma hidratação rápida de 2 minutos, como muitas fazem.”

Outra dica importante do nosso embaixador é sobre testar as condições dos fios antes de partir para a correção, confira:

“Uma das regras de ouro para o resultado impecável é sempre fazer um teste para saber se esse cabelo está apto para receber uma nova descoloração, coloração, ou outro procedimento necessário para a correção da cor. Só o teste pode mostrar a real situação do fio. Não há como abrir mão dele.” 

E, por fim, ele explica sobre a importância de ser realista com os limites do cabelo em questão:

“É preciso estar atento à realidade do cabelo que você tem nas mãos, até onde é possível chegar sem danificar demais os fios. Às vezes, a cliente chega ao salão com um pedido que não é possível para o tipo de cabelo dela, seja porque geneticamente o cabelo naturalmente puxe para um acobreado ou para o alaranjado. O profissional cabeleireiro não deve se comprometer em fazer o impossível. Por exemplo, em uma cliente com cabelo castanho escuro provavelmente não conseguiremos alcançar uma mecha perolada ou platinada sem que o cabelo sofra drasticamente, modifique a estrutura e quebre as pontas.”  

Viu só quanta dica importante do nosso embaixador!?

E para ler o artigo na íntegra é só clicar no link abaixo (página 56):

Em breve, voltaremos com mais novidades!

Até lá!


Compartilhe: