5 dicas para conseguir mais definição durante a transição capilar

Veja algumas técnicas que podem te ajudar, e muito, durante essa fase tão difícil. 

 

A transição capilar é um período complicado para muitas mulheres. Além da questão estética e até psicológica de estar assumindo os fios com o formato natural, ainda é preciso paciência, pois nem sempre o cabelo terá a definição de antes dos procedimentos químicos.

A boa notícia, contudo, é que existem formas de definir melhor os cachos e passar pela transição capilar sem muito sofrimento. Quer saber como? Continue a leitura e veja as dicas que separamos!

1. Cuide muito bem dos seus fios

É inegável que se o cabelo não estiver bem tratado e saudável, será muito mais difícil para ele definir. Então a primeira dica é: invista no cronograma capilar!

Faça uma análise do seu tipo de cabelo e curvatura e entenda quais etapas ele precisa mais: hidratação, nutrição ou reconstrução. De uma maneira geral, os cabelos cacheados e crespos costumam precisar de mais nutrição do que das outras etapas (mas é claro que isso varia em cada caso).

A nutrição é feita com óleos e visa repor os lipídios perdidos pelo fio. Como os cabelos cacheados e crespos tendem a ser mais ressecados, o uso dos óleos ajuda a selar as cutículas, dar mais maciez e também a definir. Então não descuide dos cuidados de tratamento!

2. Opte por um bom creme de pentear

Hoje várias marcas estão investindo em produtos específicos para os cabelos cacheados e crespos. Mas isso não significa que eles são todos iguais. Geralmente, os mais levinhos e ralos funcionam melhor com os cabelos ondulados (2abc), enquanto os mais consistentes são indicados para os cacheados e crespos (3abc e 4abc).

Encontrar o creme certo faz toda a diferença. O ideal é que ele ajude a definir e manter os cachos, mas sem pesar excessivamente, tornando o fio oleoso. Por isso, os ondulados precisam de cremes menos encorpados, já que eles tendem a ser mais oleosos do que os cacheados e crespos.

Outra ideia é investir na gelatina que ajuda a fixar os cachos por mais tempo. Ela pode ser aplicada depois da texturização ou junto do seu creme de pentear.

3. Invista em um corte adequado

O corte é capaz de melhorar (e muito) a definição dos cabelos crespos e cacheados. Então, é preciso perder o medo da tesoura. Na fase de transição capilar, existem algumas possibilidades.
A mais radical é o big chop – um corte no estilo ‘joãozinho’ capaz de retirar todas as partes do cabelo expostas ao alisamento.

Apesar de ser mais fácil lidar com a transição dessa forma, pois será necessário investir menos em texturizações para deixar o cabelo com a mesma curvatura ao longo do fio, nem todas as mulheres estão preparadas para se despedirem do comprimento dos cabelos.

Por isso, a dica é começar aos poucos. Um corte na altura da nuca e que trabalhe com camadas ajuda a deixar os fios mais leves e favorece que os cachinhos se formem de maneira mais natural.

Se a ideia é não fugir dos cabelos mais longos, é possível optar por um long bob, com a parte da frente um pouco mais alongada que a de trás e um desfiado discreto.

De qualquer forma, a principal dica é sempre investir nos cortes em camadas porque eles ajudam a dar mais volume de uma maneira equilibrada (fugindo do “efeito pirâmide”) e melhoram o movimento e a definição.

4. Faça boas finalizações

Infelizmente, é impossível fugir das finalizações durante a transição capilar. Afinal, uma parte do seu cabelo ainda estará com a química. Isso significa que próximo da raiz, os fios poderão estar na sua curvatura original e no comprimento eles estarão mais lisos.

A fitagem estruturada é a queridinha das mulheres em transição capilar, porque ajuda a definir de uma maneira bem bacana, equilibrando e disfarçando essas diferenças.

Para fazer essa finalização não é difícil. Primeiro, lave os cabelos como de costume e, quando terminar, retire bem a umidade com uma toalha de microfibra. Depois, divida o cabelo em 4 partes. Passe uma pequena quantidade de óleo ou creme de pentear e massageie toda a mecha, enluvando-a.

Separe o cabelo em fitas (como na fitagem tradicional), mas divida essas mechas em outras ainda menores. Estique as mechas e vá soltando devagar para formar os cachos. Outra ideia é amassar cuidadosamente o cabelo ou fazer um dedoliss.

Repita o processo em todo o cabelo. Deixe as madeixas secarem naturalmente ou use um difusor. Quando o cabelo estiver totalmente seco, use um ativador de cachos nas pontas para deixá-los ainda mais firmes.

Além dessa ideia, existem outras técnicas, como: fazer pequenos coques em várias mechas do cabelo, trançar o cabelo inteiro e dormir com as tranças para soltar no outro dia, amassar os cabelos com a cabeça virada para baixo, entre outros.

Para saber qual funciona melhor no seu cabelo, a dica é ir testando até encontrar aquela que você mais goste e se encaixe na sua rotina.

Outra dica importante é não mexer nos fios enquanto eles estiverem secando naturalmente. Isso porque, quando os cachos estão úmidos, eles podem se desfazer com facilidade, gerando frizz. Então evite tocar nos cachos até eles secarem totalmente.

5. Evite as ferramentas de calor durante a transição

Como dissemos na primeira dica, é importante que seu cabelo esteja forte e saudável para passar “tranquilo” pela transição, inclusive respondendo melhor às técnicas de finalização.

Por isso, tente evitar o uso de babyliss, secadores e chapinhas. Infelizmente, muitas mulheres acabam desistindo de ter os cabelos naturais justamente pela dificuldade em definir, e optam por alisá-lo com chapinha ou escova.

Usar essas ferramentas continuamente poderá deixar seus fios mais enfraquecidos, principalmente as áreas que ainda estão com química. E, além de ser mais difícil de defini-los, eles ainda poderão sofrer com a quebra e até a queda. Então, tente optar por técnicas de texturização que não usem o calor.

E, claro, não se esqueça de contar com o auxílio do seu cabeleireiro. Afinal, esse profissional poderá avaliar melhor as necessidades do seu cabelo e indicar os produtos adequados ao seu tipo de cacho, ajudando na definição e no tratamento dos fios.

Com essas dicas, ficou mais fácil passar pela transição capilar? Aproveite e compartilhe este post nas suas redes sociais!


Compartilhe: